Polícia apura uso de servidor da CNBB para divulgar pornografia

A Delegacia de Crimes contra a Administração Pública de Curitiba está investigando o envolvimento de um ex-estudante de Engenharia Civil da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) com a distribuição de e-mails pornográficos e de apologia a drogas, utilizando o servidor da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Juliano Todeschini de Andrade, de 26 anos, que estaria passando férias no Rio de Janeiro, foi notificado, por meio de sua família, para dar explicações à polícia.A denúncia sobre o uso do servidor da CNBB para a transmissão desse tipo de e-mails foi feita pela própria entidade. A primeira suspeita é que o ex-estudante, com uma senha conferida a todos os alunos matriculados na PUC, estaria utilizando o servidor da universidade. Mas como este precisou passar por reparos, a PUC estaria utilizando o servidor da CNBB, o que levou os e-mails emitidos por Andrade a trazerem identificação do órgão religioso.O delegado Guaraci Joarez Abreu apreendeu ontem um computador e um notebook na casa do rapaz. Os equipamentos passarão por perícia. Nos e-mails ele estaria sugerindo sites pornográficos e oferecia um comprimido americano que provocaria alterações psíquicas e melhoraria o desempenho sexual. "Foi uma brincadeira mal elaborada, pois pegou entidades erradas", disse o delegado. Segundo ele, o rapaz pode ser indiciado em pelo menos cinco crimes: distribuição de escritos obscenos, atentado contra serviços de utilidade pública, venda de substâncias nocivas à saúde, apologia ao crime e oferecimento de substâncias tóxicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.