Polícia busca seqüestradores na divisa entre MG e SP

Cerca de 200 policiais militares de Minas Gerais e São Paulo fazem na manhã desta quarta-feira um cerco a pelo menos 12 integrantes da quadrilha que manteve cinco PMs, dois delegados e um juiz como reféns desde a tarde de terça-feira até a madrugada desta quarta.A quadrilha, que tenta escapar pela área rural entre as cidades de Carmo do Paranaíba, São Gotardo e Araxá, estaria fortemente armada, inclusive portando fuzis. As fronteiras de Minas e São Paulo estavam sob vigilância durante a manhã. O movimento na região de viaturas era intenso, com os policiais interceptando ônibus e automóveis.Os reféns passaram a noite em um cativeiro próximo à rodovia MG-428, na altura da cidade de Sacramento, na região do Alto Parnaíba, em Minas Gerais. Os reféns foram soltos durante a madrugada, resgatados de helicóptero e deveriam prestar depoimento em Araxá.Entre os reféns libertados estão o juiz Valnei Alves Diniz, seqüestrado no município vizinho de Carmo do Paranaíba, e o delegado Augusto, de Rio Paranaíba. A quadrilha realizou ações integradas na terça-feira em três cidades deMinas: São Gotardo, São Sebastião do Paraíso e Brasilândia de Minas, no Noroeste do Estado.Durante a ação, um policial militar foi morto e outros três ficaram feridos. Dois assaltantes também foram baleados e mortos. Os alvos dos assaltantes foram as agências do Banco do Brasil e do Itaú. Houve troca de tiros e os criminosos usaram até pedestres que passavam em frente das agências como escudo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.