Polícia caça cúmplice de porteiro do caso Jamile

Policiais da Divisão Anti-Seqüestro (DAS) procuram o comparsa do porteiro Jadson José dos Santos no caso do estupro de uma publicitária de 24 anos, dia 16 de janeiro, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo. Santos confessou ter matado, no dia 17 de julho, a arquiteta Jamile de Castro Nascimento, de 24, e escondido o corpo por 28 dias numa caixa de água de reuso no prédio em que trabalhava, na Vila Mariana, na zona sul. Depois que o caso de Jamile foi divulgado, quatro novas vítimas reconheceram o porteiro. O caso da publicitária foi o primeiro em que ele cometeu violência sexual e não agiu sozinho.A publicitária já havia identificado o parceiro de Santos em janeiro, mas até agora ele não foi encontrado. Santos só foi reconhecido por ela esta semana. Segundo a Polícia Civil, a imagem e o nome do suspeito não foram divulgadas para não atrapalhar a investigação.Santos tornou-se uma "lenda" em Pilar, na Paraíba, onde nasceu. A 40 km de João Pessoa, a cidade criou uma "força-tarefa" para descobrir "quem é o porteiro".

Felipe Grandin e Jãmarrí Nogueira, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2018 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.