Polícia caça ladrões que mantêm seis reféns em MG

Continuam as buscas à quadrilha de ladrões de bancos de Minas Gerais. Segundo a Polícia Militar de São Gotardo, cidade na região do Alto Paranaíba, a 250 quilômetros de Belo Horizonte, são pelo menos 15 homens, fortemente armados, que ainda mantêm seis reféns, incluindo dois delegados da Polícia Civil, um juiz e três policiais militares. A perseguição começou por volta das 16 horas, quando o bando invadiu as agências do Itaú e Banco do Brasil, dominou funcionários, seguranças e clientes e realizou os assaltos. A Polícia Militar foi acionada e chegou antes que os bandidos fugissem. O gerente do Itaú e outros funcionários foram feitos reféns e utilizados como escudos pelos assaltantes para sair da agência. Em seguida teve início a perseguição, com troca de tiros. Outras equipes da PM efetuaram bloqueios, todos furados pelos bandidos, que ocupavam dois veículos, mas roubaram outros, fazendo mais reféns. De acordo com informações do Sargento Carlos, da PM de São Gotardo, foram dominados dois delegados de Polícia de municípios vizinhos que vieram em apoio, e um juiz de Carmo do Paranaíba, que viajava por rodovia da região. Também foram levados três policiais militares que foram cercados e dominados pelos bandidos. Em um dos bloqueios furados pelos criminosos, o cabo Vandec Costa da Silva, de 34 anos, morreu na troca de tiros. Mais assaltosAinda nesta terça-feira outros dois assaltos a banco movimentaram a Polícia de Minas Gerais. Um deles foi em Brasilândia de Minas, no Noroeste, e o outro, em São Sebastião do Maranhão, no Vale do Rio Doce, onde um assaltante foi morto, e outro, preso. A Polícia Civil investiga se há relação entre os crimes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.