Polícia chama veterinário para periciar cães de acusado de matar Eliza

De acordo com especialista, ainda é possível encontrar unhas e cabelos nas fezes secas dos cães, que foram recolhidas pelos policiais

Eduardo Kattah - O Estado de S. Paulo

13 de julho de 2010 | 18h44

BELO HORIZONTE - Na busca por vestígios dos restos mortais de Eliza Samudio, a Polícia Civil mineira requisitou os trabalhos de um veterinário. A intenção é tentar recolher material que possa comprovar se Eliza foi mesmo morta como o descrito em depoimentos - ela teria sido estrangulada pelo ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, esquartejada e seus restos mortais jogados para cães da raça rottweiler. Os cães foram apreendidos na casa do ex-policial, em Vespasiano (MG), onde a jovem teria sido morta.

 

Veja também:

linkPromotor de Minas ouve menor envolvido no desaparecimento de Eliza

linkPolícia poderá ouvir Fernanda, outra amante de Bruno

linkSuspeito de matar Eliza só vai falar em juízo, diz advogado

linkJovem muda depoimento e incrimina Bruno

especialCronologia do caso

 

O veterinário Fernando Pinto Pinheiro compareceu nesta terça-feira, 13, pela manhã ao Departamento de Investigação (DI) a convite do delegado Edson Moreira e sugeriu um possível trabalho de perícia envolvendo os cães. De acordo com Pinheiro, ainda é possível encontrar unhas e cabelos nas fezes secas dos cães, que foram recolhidas pelos policiais. Segundo ele, como o crime teria ocorrido há mais de um mês, exames internos nos animais, como endoscopia, não apresentariam resultados. O veterinário também acredita que é possível utilizar o reagente Luminol na pelagem dos animais para detectar a presença de eventual sangue da vítima.

 

Pinheiro ressaltou que os cães da raça rottweiler são "extremamente vorazes, agressivos, perigosos e se não forem bem adestrados chegam a ser até incontroláveis". E que comem carne humana, principalmente se estiverem "esfomeados". "O cão é um carnívoro e jamais recusa uma carne, seja de qual animal for", disse.

 

A chefe da Delegacia de Homicídios de Contagem, Ana Maria Santos, observou que a intenção da polícia é identificar o exame mais adequado para a detecção de algum vestígio, tendo em vista o fato de o suposto assassinato, conforme depoimentos, ter ocorrido no dia 9 de junho. "Nós adotaremos, buscaremos a melhor técnica, a melhor forma de periciar esses cães, sobretudo tendo em conta o decurso de tempo."

 

Pelo menos dez rottweilers foram recolhidos da casa de Bola e levados para o Centro de Zoonoses. Na segunda-feira, em conversa com seu advogado, Zanone Oliveira Júnior, o ex-policial manifestou preocupação com o destino dos cachorros apreendidos em sua residência.

 

A polícia procura manter em sigilo o resultado de perícias em andamento, como em relação aos vestígios de sangue encontrados no Citröen de Bola. Questionada nesta terça sobre o assunto, a delegada não respondeu. O delegado Frederico Abelha considera que ainda não se esgotaram as possibilidades de localização dos restos mortais de Eliza no sítio que era alugado pelo ex-policial em Esmeraldas. "Acho que não, ali é muito grande."

 

Testemunha

 

Durante reunião da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas uma testemunha reiterou nesta terça-feira, 13, o envolvimento de Bola com uma organização de extermínio que atuaria dentro do extinto Grupo de Resposta Especiais (GRE) da Polícia Civil.

 

Usando um capuz para não ser identificada, a testemunha reafirmou a acusação de que Bola participou do desaparecimento de Paulo César Ferreira e Marildo Dias, que foram presos por integrantes do GRE em 2008. Os corpos dos jovens não foram localizados. As vítimas teriam sido mortas em um método de assassinato e ocultação de cadáver semelhante ao que foi descrito pelo menor J. em relação a suposta morte de Eliza. Um inquérito foi aberto no ano passado pela Corregedoria-Geral de Polícia Civil, mas as investigações pouco avançaram.

 

Embora estivesse excluído da corporação desde 1992, Bola participava dos treinamentos do GRE e chegou a ser condecorado pela equipe de elite - extinta após as denúncias. O corregedor-geral Geraldo Morais Júnior se defendeu das críticas de morosidade do inquérito afirmando que se trata de "uma investigação muito complexa". "Mas a Polícia Civil não desiste, não vai parar nunca de investigar."

 

O promotor Rodrigo Filgueiras Oliveira, designado para acompanhar a investigação, ressaltou que há três elos no inquérito com o caso Bruno: o ex-policial, o local e o modus operandi dos supostos crimes. De acordo com Filgueiras, contudo, a apuração em relação ao grupo de extermínio não pode ser usada como estratégia de defesa para desviar a atenção da investigação envolvendo goleiro e ex-capitão do Flamengo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.