Polícia chega a suspeito de matar secretário de Porto Alegre

Homem de 22 anos foi identificado pelas mostras de DNA retiradas do sangue na cena do crime

Lucas Azevedo, especial para O Estado de S. Paulo,

03 de março de 2010 | 16h18

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul já tem conclusões sobre a morte do secretário de Saúde de Porto Alegre Eliseu Santos. O médico foi morto em uma tentativa de assalto, na noite de sexta-feira, no bairro Floresta, na capital gaúcha. Um dos suspeitos já foi identificado. É Eliseu Pompeo Gomes, de 22 anos, ligado a uma quadrilha de roubo de carros. A polícia confirmou o suspeito a partir do rastro de sangue deixado na cena do crime. Ele está foragido.

 

Após o tiroteio, Gomes foi atendido no hospital São Camilo, de Esteio, Região Metropolitana de Porto Alegre. Com dois tiros nas pernas, ele informou que havia sofrido um assalto naquela cidade. Depois de uma investigação preliminar, a polícia descartou a veracidade do fato.

 

A partir daí, Gomes passou a ser investigado. Foi apurado que ele não possui antecedentes criminais, mas sustenta forte ligação com uma quadrilha de Sapucaia do Sul, também na Região Metropolitana, especializada em roubo e furto de automóveis.

 

Na manhã de terça-feira, autorizada pela Justiça, a polícia coletou mostras de saliva da mãe e de um irmão de Gomes para comparar com o código genético das manchas de sangue encontradas na cena do crime. Na madrugada desta quarta-feira, o Instituto Geral de Polícias informou que as mostras batiam. A partir de então, a linha de investigação que interpretava o crime como um homicídio foi descartada.

 

"Além da prova material básica que botou o suspeito na cena do crime, temos 15 relatos que convergem para a participação dele no latrocínio", afirmou o titular da Delegacia de Homicídios, delegado Bolívar Llantada.

Segundo um depoimento informal dado por outro irmão de Gomes à polícia - preso por envolvimento em roubo de carros -, o fugitivo deve se apresentar em breve.

 

A Justiça expediu mandado de prisão temporária a outros dois suspeitos. Eles já foram identificados pela polícia, que ainda está reunindo provas para incriminá-los. Um deles possui uma vasta ficha policial por roubo e receptação e seria o líder da quadrilha de sapucaia do Sul.

 

O veículo utilizado pelos suspeitos também foi identificado. Trata-se de um Vectra prata, modelo 2007, encontrado queimado na madrugada de segunda-feira, na cidade de Novo Hamburgo. O veículo havia sido furtado na segunda-feira da semana passada em Canoas. O carro circulava com placas clonadas.

 

A polícia acredita ainda que um dos outros dois suspeitos também esteja ferido. Segundo relato de testemunhas, no momento da abordagem ao secretário, ele teria levado um tiro nas nádegas. O homem entrou no carro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.