Polícia civil do RS prende quadrilha especializada em assalto a bancos

No total, 40 pessoas foram detidas nos estados de RS, SC e RJ, na Operação Fire

Pedro da Rocha, da Central de Notícias,

09 de julho de 2010 | 18h52

SÃO PAULO- A polícia civil do Rio Grande do Sul prendeu nesta sexta-feira, 9, 40 pessoas de uma quadrilha especializada em assaltos a banco. Estima-se que o prejuízo total das instituições financeiras chegue a R$ 5 milhões. A operação foi deflagrada nesta madrugada, com captura de criminosos no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e Rio de Janeiro.

 

A ação foi desencadeada pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC). Segundo o delegado Juliano Ferreira, da 1ª DR, a denominada Operação Fire foi deflagrada após sete meses de investigação policial. Foram cumpridos 44 mandados de prisão temporária e 56 mandados de busca e apreensão.

 

Para o delegado, cerca de 40 ações criminosas foram desencadeadas pela quadrilha, umas das mais especializadas e organizadas do Estado. Dos 40 presos - com idade média entre 25 e 30 anos - cerca de dez são mulheres. Dentre os presos, alguns dos líderes do grupo, além de um policial militar, responsável pelas informações de segurança, e um chaveiro, de 32 anos, que dava apoio na abertura das agências. Eles serão encaminhados ao Presídio Central e à Penitenciária Feminina Madre Pelletier. Dos 44 mandados de prisão, 40 foram cumpridos.

 

Dentre os equipamentos apreendidos constam três maçaricos, máscaras químicas, botijão de gás, coletes à prova de balas, alicates, lonas, três pistolas 9mm, uma pistola calibre 40, uma pistola calibre 45, além de farta munição. O delegado Juliano salienta que o bando estava investindo em equipamentos caros, como, por exemplo, uma furadeira eletrostática, encontrada com os indivíduos, avaliada em cerca de R$ 10 mil. Com o grupo a Polícia apreendeu ainda seis veículos de luxo, como Ford Fusion e Mercedes Classe A no RS, e outros quatro em SC, além de equipamentos utilizados nos arrombamentos.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.