Polícia Civil e MP do Rio prendem envolvidos com a maior milícia do Estado

Entre os presos está o PM reformado Clayton da Silva Novaes; agentes também tentam prender Luís Antônio da Silva Braga, irmão de Wellington da Silva Braga, conhecido como Ecko e apontado como um dos principais líderes da milícia

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2019 | 08h27
Atualizado 03 de julho de 2019 | 18h39

RIO - Uma operação da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) prendeu na manhã desta quarta-feira, 3, seis pessoas acusadas de ter envolvimento com a Liga da Justiça, considerada a maior milícia do Estado do Rio. Outra pessoa ainda está sendo procurada.

Entre os presos está o PM reformado Clayton da Silva Novaes. Segundo as investigações, ele usaria uma empresa de exploração de areia e saibro para lavar dinheiro da milícia, que tem forte atuação em bairros da zona oeste do Rio, como Campo Grande, Santa Cruz e Paciência.

De 2012 a 2017 a empresa faturou R$ 42 milhões, dos quais pelo menos R$ 10 milhões seriam da milícia, estimam os investigadores.

Na operação desta quarta, autorizada pela 42.ª Vara Criminal da Comarca da Capital, os agentes também tentam prender Luís Antônio da Silva Braga, irmão de Wellington da Silva Braga, conhecido como Ecko e apontado como um dos principais líderes da milícia. Luís Antônio também é irmão de Carlinhos Três Pontes, conhecido miliciano que chefiou a Liga da Justiça até sua morte, ocorrida durante operação da polícia em 2017.

De acordo com o MPRJ, a Liga da Justiça atua no Rio desde meados dos anos 1990. A milícia é violenta e atua na base da extorsão, obrigando moradores e comerciantes da região, motoristas e proprietários de vans a pagar taxas. A quadrilha utiliza intimidação com o uso de armas de fogo e é investigada por diversos homicídios.

Também foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão. A reportagem procurou representantes dos detidos, para que se manifestassem sobre as prisões desta quarta-feira, mas não conseguiu localizá-los até as 17h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.