Polícia Civil inicia greve em Alagoas

Os policias civis de Alagoas, que decretaram greve por tempo indeterminado desde hoje, acampam nesta segunda-feira na praça dos Martírios, onde realizam um café-da-manhã em frente ao Palácio Floriano Peixoto, sede do governo do Estado. A manifestação é uma forma de chamar atenção da população para a luta dos policiais civil, que reivindicam uma reposição salarial de 35% - referente às perdas dos últimos dois anos.Segundo o diretor de formação do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas, José Carlos dos Santos, a greve atinge todas as delegacias da Capital e parte do interior. Já o secretário estadual de Defesa Social, Robervaldo Davino, diz que a situação está sob controle e que a greve não está comprometendo a segurança da população.Segundo ele, a paralisação atinge apenas a minoria dos cerca de 2.100 policiais civis do Estado. Quando à reivindicação da categoria, ele disse que o governo está analisado a questão para apresentar uma proposta durante a semana. Assassinato Apesar da greve, a polícia continua as buscas aos assassinos do fazendeiro Antônio Egídio dos Santos, 64 anos, um dos maiores plantadores de fumo de Arapiraca, a 152 quilômetros de Maceió, Ele foi morto em casa com um tiro no coração, hoje pela manhã, em sua casa, por assaltantes. A polícia trabalha com a tese de latrocínio, mas não descarta a possibilidade de crime por encomenda. O secretário Robervaldo Davino disse que já tem pistas dos autores do assassinato, mas a polícia não pode revelar os detalhes para não atrapalhar as investigações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.