Polícia Civil investiga ligação entre jogador do Flamengo e milícia

Luiz Antônio, e o pai, Luiz Carlos Soares, terão de comparecer na Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco)

Ronald Lincoln Jr., O Estado de S. Paulo

12 Agosto 2014 | 20h31

RIO - A Polícia Civil do Rio tomou providências para ouvir nesta quarta-feira, 13, o jogador do Flamengo, Luiz Antônio, e o pai dele, Luiz Carlos Soares, suspeitos de manter relações com um dos grupos mais perigosos de milicianos que atuam na cidade, a Liga da Justiça. Os dois foram intimados a comparecer à tarde na Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco).

O jogador alegou ser inocente, segundo o advogado do Flamengo, Michel Assef Filho, que vai acompanhar. “Conversei com ele hoje (terça-feira, 11). Não posso adiantar nada sobre o caso, por respeito à autoridade policial. Mas o jogador me esclareceu todo o ocorrido e afirmou ser inocente das acusações feitas contra ele”, afirmou o advogado ao Estado

Investigações da polícia apontam que o jogador teria presenteado o ex-policial Marcos José de Lima, um dos líderes milicianos, com um Ford Edge, carro avaliado em R$ 130 mil. Dias depois, o pai do jogador registrou o suposto roubo do mesmo carro na 42.ª Delegacia de Polícia. O policial que fez o registro de ocorrência, Alexander da Rocha Antunes, o Sérgio Preto, foi preso na semana passada, acusado de integrar a milícia. A polícia acredita que o jogador tenha tentado aplicar o golpe do seguro.

No momento, Luiz Antônio é apenas suspeito. A polícia aguarda as explicações do atleta para decidir se vai indiciá-lo.

O caso veio à tona após realização da Operação Tentáculos, pela Draco, que prendeu, na semana passada, 21 suspeitos de ligação com a milícia. Treze pertenciam a Forças de Segurança (Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, secretaria de Administração Penitenciária e Exército).

Luiz Antônio foi liberado do treino do Flamengo nesta terça-feira para resolver problemas pessoais, de acordo com a assessoria do clube. Ele só deve voltar às atividades após prestar os esclarecimentos, até para evitar desgaste do clube. É possível até que não enfrente o Coritiba, domingo, pelo Campeonato Brasileiro. O Flamengo mantém silêncio sobre o caso e informou que só vai se pronunciar após a conclusão das investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.