Polícia conclui inquérito sobre briga de alunos

Nada de guerra de gangues. A agressão ao aluno do Mackenzie Daniel, de 15 anos, foi apenas uma briga normal entre estudantes. Essa é a conclusão do inquérito policial aberto pelo 4º Distrito Policial. "É o que podemos afirmar depois de ouvir as vítimas e os estudantes envolvidos na agressão", disse o delegado Gilmar de Camargo Bessa.O fato ocorreu no dia 23 de fevereiro na Avenida Higienópolis. Daniel e seu amigo Leandro, também do primeiro ano do ensino médio do Mackenzie, foram ao Colégio Nossa Senhora do Sion visitar um amigo. Como não o encontraram, decidiram voltar.No caminho, encontraram um grupo de rapazes, acompanhados por uma adolescente que vestia uniforme do Sion. Daniel, que fraturou o nariz e foi obrigado a passar por uma cirurgia plástica reparadora, e Leandro disseram acreditar que haviam apanhado porque vestiam camisetas do Mackenzie. A polícia descobriu que os seis meninos são estudantes do Caetano de Campos, tradicional escola da rede pública do Estado, e a menina é aluna do Sion. Apenas um dos rapazes tem 18 anos - este será acusado por lesão corporal. Os demais têm de 15 a 17 anos. "Nem todos participaram da agressão", disse o delegado.O motivo da briga, segundo disseram, foi um mal-entendido entre Daniel e um dos rapazes do grupo, D.S.M., de 16 anos. Este não teria gostado da forma como Daniel olhou para ele e foi tirar satisfações. Aí começaram as agressões. A maioria dos outros suspeitos disse que não bateu em Daniel nem em seu amigo.D.S.M. assumiu ter sido o autor da agressão. Ele e os amigos F.F.F., de 17 anos, L.L.C.Q, de 15, T.S.P., de 16, foram paquerar meninas do Sion acompanhados por A.O.P.J., de 17, namorado de C.L.S., de 16, e por Beslan de Andrade, de 18, o único maior de idade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.