Polícia conclui que Dutra Pinto matou policiais

O Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) concluiu que o seqüestrador Fernando Dutra Pinto foi o autor das mortes dos policiais Paulo Tamotsu Tamaki e Marcos Amorim Bezerra, além de tentar matar o investigador Reginaldo Guatura Nardes. Ao mesmo tempo, o presidente do inquérito, delegado Carlos Alberto Sato, pedirá o arquivamento do caso porque o autor do crime morreu, extingüindo a possibilidade de puni-lo. O tiroteio ocorreu no Flat L´Etoile, em Barueri, na Grande São Paulo, um dia após Dutra Pinto libertar a estudante Patrícia Abravanel, filha do apresentador Silvio Santos. No dia seguinte, ele invadiria a casa de Silvio, fazendo-o como refém até a chegada do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. O seqüestrador negava esse crime e afirmava que, além dos três policiais, outras pessoas estavam no andar do flat onde ocorreu o tiroteio. Ele dizia que os policiais atiraram, fato desmentido pelas reconstituições do crime, pelo exame de balística e pelos depoimentos de Nardes e de testemunhas. Exames complementares feitos pelo Instituto de criminalística (IC) acabaram com a dúvida que existia sobre a presença de uma quinta pessoa no andar. A suspeita surgiu porque um tipo de sangue diferente do dos policiais e do seqüestrador teria sido encontrado. O exame de DNA resolveu essa dúvida.

Agencia Estado,

31 de janeiro de 2002 | 22h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.