Polícia de Americana vai confrontar dólares

A polícia deverá confrontar amanhã a numeração dos dólaresencontrados em um esconderijo estourado em Americana com a numeração dasnotas utilizadas para o pagamento do resgate do empresário RobertoBenito Júnior, que passou 119 dias em cativeiro. O dinheiro, cerca deUS$ 800 mil, foi encaminhado para um banco de São Paulo, onde seráanalisado.O esconderijo foi encontrado na sexta-feira por investigadores daDelegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) de Americana. Nolocal, foi preso o casal Mauro Braga e Sidéia Silva, condenadopor tráfico e foragido da Justiça. Além dos dólares, a políciaapreendeu um fuzil, uma pistola nove milímetros, um revólver 38,munição, quatro celulares e R$ 10 mil.Não está descartada a hipótese de que o dinheiro encontrado sejaproveniente de tráfico. O casal foi levado de Americana para umapenitenciária de alta segurança, mas a polícia não informou o local.Anteontem, os investigadores foram avisados de nova movimentação nacasa. Segundo a Dise, eram parentes dos acusados que foram até a mansãopara buscar roupas que seriam levadas ao casal.Junto com Braga e Sidnéia, a polícia deteve outras quatro pessoas,inclusive a empregada da casa, localizada em um bairro de alto padrão deAmericana. Dois dos detidos foram liberados, entre eles um menor, eoutros dois permaneceram presos. A polícia não informou a identidadedeles.Policiais da Delegacia de Americana disseram que o casal deverá deporamanhã. Na Dise e na Delegacia Anti-Seqüestros de Campinas, queinvestiga o crime contra o empresário de Salto, ninguém foi encontradopara falar a respeito. Há informações extra-oficiais de que afamília pagou US$ 1 milhão para que Benito Júnior fosse libertado, noúltimo dia 30.Fugas - Duas fugas foram registradas na região de Campinas na madrugada de hoje. Quatro presas da Cadeira Feminina de Nova Odessa conseguiramescapar depois de cortar uma tela que protegia a cela onde estavam. Forada cela, usaram uma teresa, corda feita de lençóis, para pular o muro ealcançar a rua.Na Penitenciária 2 de Hortolândia, um homem conseguiu fugir ao alcançarum trecho do alambrado do presídio que está rompido desde o ano passado.Outros dois presos foram impedidos de fugir ao serem surpreendidos pelocarcereiro antes de chegar ao alambrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.