Polícia Civil/Estadão
Polícia Civil/Estadão

Polícia de MG faz buscas em fornecedora da cervejaria Backer

Empresa seria uma das fornecedoras de pelo menos uma das substâncias encontradas na cerveja contaminada; ex-funcionários prestaram depoimentos

Leonardo Augusto, especial para, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2020 | 18h01
Atualizado 20 de janeiro de 2020 | 18h49

BELO HORIZONTE - A Polícia Civil de Minas Gerais cumpriu mandado de busca e apreensão em uma empresa de Contagem, na Grande Belo Horizonte, que seria a fornecedora de pelo menos uma das substâncias encontradas na cerveja Belorizontina, da Backer, e em sua fábrica no bairro Olhos D'Água, Região Oeste da capital. Segundo as investigações da corporação, as substâncias encontradas na bebida e na fábrica são o dietilenoglicol e o monoetilenoglicol, ambos utilizados, normalmente, em sistemas de refrigeração de fábricas do setor cervejeiro.

O dietilenoglicol é apontado como possível causa da morte de quatro pessoas que teriam consumido a Belorizontina. "Recolhemos amostras, alguns documentos na continuidade da operação", afirmou o delegado responsável pelas investigações, Flávio Grossi. Segundo o policial, a empresa é fornecedora de produtos que "envolvem toda a cadeia de investigação, da contaminação inclusive", continuou. 

Também nesta quinta-feira, um ex-funcionário da Backer e um ex-funcionário de empresa fornecedora da cervejaria prestaram depoimento. Segundo a polícia, o ex-funcionário da empresa fornecedora foi apresentado pela Backer.  Os nomes das testemunhas não foram revelados.

De acordo com a polícia, os advogados da Backer "tiveram amplo acesso à produção desta prova (depoimento), tendo, inclusive a oportunidade de fazer perguntas, levando cópias dos depoimentos", informou a corporação. "Cumpre ressaltar que tanto o monoetilenoglicol e dietilenoglicol são substâncias tóxicas e foram encontradas em todos os materiais recolhidos e analisados até o presente momento."

Não havia confirmação se o ex-funcionário da Backer que prestou depoimento é o mesmo que teria ameaçado um supervisor da empresa ao ser demitido, conforme boletim de ocorrência registrado na Polícia Militar em 19 de dezembro do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.