Andreo Fischer/Divulgação
Andreo Fischer/Divulgação

Sete suspeitos de esquartejamento de crianças no RS têm prisão decretada

Ritual satânico foi encomendado por dois homens que almejavam 'prosperidade nos negócios empresariais'

Luciano Nagel, especial para O Estado

08 Janeiro 2018 | 13h33

PORTO ALEGRE - Sete pessoas suspeitas de terem participado de um ritual satânico, que terminou com o esquartejamento de duas crianças no Rio Grande do Sul, tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça nesta segunda-feira, 8, após pedido da Polícia Civil gaúcha. Quatro deles já estão detidos, inclusive o suposto líder do grupo, intitulado como "mestre e bruxo".

Outros três suspeitos são considerados foragidos. São eles: Jorge Adrian Alves, argentino, Anderson da Silva, que teria encomendado o ritual, e Paulo Ademir Norbert da Silva, outro sócio do ramo imobiliário.

+++ Chacina deixa quatro mortos na zona norte de SP

As informações foram detalhadas em coletiva de imprensa na manhã desta segunda pela Delegacia de Homicídios de Novo Hamburgo, na Região Metropolitana de Porto Alegre, que investiga o crime desde o início de setembro do ano passado.

+++ 'Estadão Notícias': PCC é a organização criminosa que mais cresce no mundo, afirma procurador do MP-SP

Na época, pedaços de membros humanos como pés, braços, mãos, pernas e troncos foram encontrados por um catador de lixo em Lomba Grande, na região rural do município de Novo Hamburgo. Os restos mortais estavam dentro de sacolas plásticas e caixas de papelão às margens de uma estrada. 

+++ De risco, gravidez até 14 anos persiste no País

Segundo o delegado Moacir Fermino, os restos mortais são de duas crianças argentinas (irmãos - um menino e uma menina), com idades entre 8 e 12 anos. "As crianças foram raptadas em troca de um caminhão roubado", afirmou o delegado. 

De acordo com as investigações, o ritual satânico teria custado R$ 25 mil e sido encomendado por dois homens da cidade de Novo Hamburgo que almejavam "prosperidade nos negócios empresariais". Durante o ritual, que ocorreu em um templo no interior do município de Gravataí, em Morungava, o delegado Fermino afirmou que os discípulos comeram carne (supostamente humana) e beberam sangue. "Um crime bárbaro, cruel", resumiu o delegado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.