Polícia descobre cativeiro, mas vítima já estava livre em SP

"Agradeça a sua mãe", teria dito um dos seqüestradores ao estudante universitário Shinji Cesar Sato, de 19 anos, ao libertá-lo, por volta das 21h desta sexta-feira, na Estrada de Carapicuiba, em Osasco. Ele foi seqüestrado naquela cidade na noite de quarta-feira. Praticamente no mesmo instante em que ele era libertado, policiais da Divisão Anti-Seqüestro da Delegacia Seccional local invadiam a casa que serviu de cativeiro, no Jardim Boa Vista, e prendeu um adulto e dois adolescentes. A polícia acredita que um primo da vítima esteja envolvido no caso.Filho do proprietário de um depósito de materiais de construção, Shinji saiu na quarta à noite do campus da Uniban, em Osasco, e foi deixar a namorada em casa, no Jardim Veloso, em sua motocicleta Honda Strada. Quando saía, ele foi cercado por outro motociclista e ocupantes de um Verona. Dominado por cinco pessoas, o estudante foi colocado dentro do veículo e levado para o cativeiro, um pequeno cômodo de alvenaria. Já na madrugada, por volta de 1h, seus familiares receberam o primeiro telefonema dos seqüestradores, exigindo R$ 300 mil para libertá-lo.Pela manhã, a família foi registrar o caso na delegacia e, ao retornar, recebeu novo telefonema reiterando a quantia exigida. Na noite daquele mesmo dia, Shinji tentou fugir e foi agredido pelos criminosos. No cativeiro, um cômodo com 1,5 X 2 metros, ele era mantido com água e bolachas servidas pelo casal de irmãos E.R.M.D., de 17 anos, e R.M.D., de 16. Além dos adolescentes, ficava na casa Edivaldo Moreira da Silva, de 26 anos, que dirigiu o veículo quando Shinji era levado ao cativeiro.Dois dias de investigações, alguns telefonemas anônimos e os policiais da Divisão Anti-Seqüestros da Delegacia Seccional de Osasco chegaram a alguns bandidos do Jardim Veloso, que forneceram informações sobre os seqüestradores. Por volta de 21h de ontem, quando a chuva estava mais intensa, invadiram o cativeiro e prenderam o casal de adolescentes e Edivaldo. Foram, então, informados de que os outros seqüestradores tinham levado o refém para ser libertado na Estrada de Carapicuiba.Não ficou clara a recomendação para que Shinji agradecesse à mãe pela liberdade, uma vez que o resgate, segundo os familiares, não foi pago. A polícia procura César Santana, de 21 anos, que alugou a casa usada como cativeiro e que teria chegado há dias de Assis, no interior paulista. Estão sendo procurados ainda o irmão dos adolescentes presos, Isaac Moreira Dourado, de 20 anos, e um primo da vítima, Michael Massaynki Horai, 20, que seria o mandante do seqüestro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.