Polícia desiste de encontrar corpo de traficante

A Polícia Militar do Rio suspendeu no fim da tarde de hoje as buscas aos corpos do traficante André da Costa Brito, o Zarur, e de cinco comparsas na mata da parte superior da Favela da Rocinha. Eles teriam sido mortos por ex-aliados, de acordo com informações do serviço de inteligência da Polícia Civil, numa disputa pelo controle do tráfico de drogas na favela em curso desde a morte do antigo chefe Luciano Barbosa dos Santos, o Lulu, em abril, pela polícia. Depois de três dias de trabalho com a ajuda de cães farejadores sem encontrar os corpos, a polícia decidiu esperar por informações mais precisas. ?Não vamos mais fazer esse tipo de operação. A comunidade não está colaborando com informações. Nem a família desse Zarurconseguimos localizar. Ninguém fala nada?, disse ontem o coroenel Jorge Braga, comandante do Batalhão de Polícia Militar do Leblon, responsável pelo patrulhamento da Rocinha. De acordo com o tenente-coronel José Maurício Padrone, que comanda a força de 400 homens que se revezam no policiamento da Rocinha desde anteontem, um grupo de policias vasculhou ontem a localidade conhecida como Laboriaux, acima do ponto onde morava Lulu. ?Não encontramos nada, nem armamento. Sabendo que estamos vasculhando a área, os bandidos devem ter escondido o material que guardam na mata?, disse.

Agencia Estado,

01 de julho de 2004 | 18h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.