Polícia desmonta laboratório de falsificação de dinheiro

A polícia civil desmontou na sexta-feira um laboratório de notas de R$ 50 no bairro Aparecida, na zona sul de Manaus. De acordo com a assessoria da polícia, já havia sido preso, na quinta, o estudante Ely Areovaldo Rodrigues, de 23 anos, com R$ 2,5 mil em notas falsas, tentando fazer compras em um supermercado. Ely contou à polícia que ele e um homem identificado como Berg seriam os responsáveis pelo laboratório, indicando o endereço. No laboratório foram apreendidos R$ 10,2 mil em notas falsas. Também foram encontrados no laboratório uma impressora de alta resolução, um scanner, um programa de computador usado para fazer a cópia das notas, aparelhos de DVD e cópias de filmes pirata. Ainda no local, garrafas de água sanitária estavam estocadas para, segundo a polícia, deixar branco o papel usado para ensacar cimento e fazer as cópias das notas. O papel, dessa forma, ficava com um aspecto de cédula velha. Segundo a polícia, a investigação sobre a produção do dinheiro falso começou há dois meses. Comerciantes de bairros vizinhos ao de Ely denunciaram o recebimento de cédulas falsas, principalmente à noite, quando a visibilidade é menor e a má qualidade da impressão não era percebida. Na delegacia, Ely teria afirmado à polícia que ele e o cúmplice costumavam não só usar as notas, mas também trocar por drogas ou vender em pacotes com 100 cédulas (R$ 5 mil falsos) por R$ 200.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.