JOSE LUCENA/FUTURA PRESS
JOSE LUCENA/FUTURA PRESS

Polícia desmonta quadrilha que vendia drogas pelo WhatsApp no Rio

Grupo oferecia cardápio de entorpecentes pelo aplicativo e recebia pagamento até em criptomoedas

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2021 | 21h37

RIO – Catorze pessoas acusadas de integrar uma quadrilha que vendia drogas pelo WhatsApp e atendia consumidores de bairros nobres do Rio foram presas nesta sexta-feira, 17, durante a Operação Batutinhas, promovida pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ). Segundo a polícia, o líder do grupo é Alluan Araújo, conhecido como Alfafa, que mantinha uma conta comercial no aplicativo de mensagens WhatsApp com o nome de Alfafa Batutinha Best Quality Drugs.

Por meio do aplicativo, ele oferecia um cardápio de drogas, que eram enviadas ao endereço indicado pelo comprador, em geral em bairros da zona sul do Rio ou na Barra da Tijuca (zona oeste). O pagamento podia ser feito até em criptomoedas, diz a polícia. Alfafa foi preso em Laranjeiras, na zona sul.

A quadrilha foi investigada pela Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) e pelo Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MP-RJ. Dezoito pessoas foram identificadas e denunciadas por associação para o tráfico de drogas, e todas tiveram a prisão preventiva decretada pela 19.ª Vara Criminal do Rio, que já aceitou as denúncias – todas viraram réus, portanto. Quatro acusados seguiam foragidos até a noite desta sexta-feira. Também foram cumpridos 31 mandados de busca e apreensão.

“Essa organização criminosa criou um domínio em bairros nobres do Rio”, contou o delegado Gustavo Rodrigues Ribeiro, titular da Desarme. “Eles contavam com ex-agentes policiais, que tinham sido expulsos, e usavam fuzis. O bando disputava a venda de drogas até com sequestro de (traficantes) rivais”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.