Polícia do Pará procura matadores de sindicalista

A polícia do Pará ainda não tem qualquer pista dos pistoleiros que na noite de sábado mataram com dois tiros no peito o diretor do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rondon do Pará, no sul do estado, José de Ribamar Pereira de 47 anos.Ele foi morto na frente de sua residência por dois homens que estavam em uma motocicleta. Após o crime, os assassinosfugiram em direção à rodovia BR-222, liga o município à Marabá. As primeiras investigações apontam para mais um crime deencomenda na região ligado à disputa pela posse da terra. Pereira era maranhense e deixou três filhos. Ao ouvir o primeiro tiro, os filhos e a mulher dele ainda correram para socorrê-lo. Mas, antes de fugir, os criminosos ainda desferiram outro disparo ao ver que o sindicalista ainda se mexia. A Comissão Pastoral da Terra e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetagri), a qual Pereira era filiado, informaramque o sindicalista tinha atuação destacada na organização de acampamentos de lavradores sem terra que ocupam algumasfazendas em Rondon do Pará. "Não há dúvida de que ele foi morto a mando de fazendeiros", garante o presidente da Fetagri no Pará, Antonio de SouzaCarvalho, o Cajazeiras. Em dezembro de 2000, o presidente do sindicato, José Dutra da Costa, o Dezinho, foi assassinado a tiros por um pistoleiro, também na porta de sua casa. O fazendeiro Délcio Nunes, o Delsão, responde a processo acusado de ser o mandante do crime. Ele está tentando paralisar o processo no Tribunal de Justiça do Pará.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.