Polícia do PR apreende 8 toneladas de maconha no Paraguai

Capital paulista era o destino da droga; outro carregamento já entrou no Brasil, mas não foi localizada

Evandro Fadel, do Estado de S. Paulo

29 Novembro 2007 | 20h17

Policiais do Núcleo de Repressão ao Tráfico de Drogas, da Divisão de Narcóticos do Paraná, em conjunto com a Polícia Nacional, do Paraguai, e apoio do Ministério Público do país vizinho, apreenderam, na última quarta, oito toneladas de maconha escondidas no meio de madeira compensada em um barracão no Bairro Dom Bosco, em Ciudad del Este, no Paraguai. O barracão foi alugado por um brasileiro, residente em São Paulo, investigado pela polícia. A capital paulista era o destino da droga. De acordo com o delegado Marco Góes, as investigações começaram havia seis meses e os policiais pretendiam aguardar que o carregamento fosse trazido para o Brasil para fazer o flagrante. "Sabíamos do modus operandi e da existência do barracão e queríamos pegar do lado de cá, mas havia o risco de perder, por isso fizemos contato com a Polícia Nacional e o Ministério Público do Paraguai, que nos acompanharam", disse o delegado. Segundo ele, outro carregamento de droga já entrou no Brasil, mas os policiais não conseguiram localizar a carreta. Góes disse que, visualmente, o que aparecia eram blocos de compensado lacrados com fita metálica. No entanto, a madeira ficava apenas na parte externa, formando uma espécie de caixote carregado de droga. Uma empresa foi criada para se responsabilizar pela exportação do compensado. Como não havia irregularidade na documentação, o carregamento era liberado. "Dificilmente alguém mandaria desfazer todo o carregamento para uma análise mais precisa", salientou o delegado. "Era muito bem feito." Segundo ele, do mesmo modo que entraria no País sem causar suspeita, o que deveria acontecer até o fim desta semana, o carregamento poderia sair. No momento da apreensão não havia ninguém no barracão.

Mais conteúdo sobre:
MaconhaParaguaiapreensão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.