Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Polícia do Rio desarticula facção criminosa no Morro do Borel

23 pessoas foram detidas; líder do tráfico está preso em Catanduvas e teve progressão de regime suspensa

Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo,

30 de outubro de 2009 | 11h27

Subiu para 23 o número de pessoas presas no Rio durante a operação Família S/A, realizada nesta sexta-feira, 30, desarticular um bando ligado ao traficante Isaías da Costa Rodrigues, o Isaías do Borel. A ação foi montada a partir da investigação dos bens de Isaías. O chefe da Polícia Civil, Alan Turnowsky, defende que só sufocando financeiramente os traficantes, haverá sucesso.

 

Veja também:

linkCabral não se mostra preocupado com violência

 

De acordo com o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, a orientação agora é "atacar a estrutura financeira das lideranças da facção criminosa Comando Vermelho". Ele afirmou que escutas telefônicas provam que a mulher de Isaías, Sílvia Regina Rosário Rodrigues, e a irmã do traficante, Emília Costa Rodrigues, repassavam a traficantes e familiares as ordens do criminoso. Ambas estão entre as detidas na operação.

 

Isaías, detido há dois anos no presídio federal de Catanduvas (PR), estava prestes a ser beneficiado pela progressão de regime, mas teve um novo mandado de prisão preventiva expedido porque a polícia comprovou que ele continua articulando um esquema de lavagem de dinheiro de dentro da cadeia.

 

"De maneira confortável, se aproveitando de brechas da lei, eles passam ordens aos subordinados dentro dos presídios para cometer crimes no Rio. De agora em diante, aqueles que empreendem ações criminosas no Rio terão suas famílias investigadas e presas", disse Beltrame.

 

A Justiça sequestrou um imóvel avaliado em R$ 150 mil na Rua Conde de Bonfim, na Tijuca, zona norte carioca, onde morava a família de Isaías, apreendeu três carros, quatro telefones celulares, dois computadores, uma filmadora, documentos, joias, relógios R$ 5 mil e uma pequena quantia em euros.

 

Os presos foram indiciados em associação para o tráfico, financiamento de práticas ilícitas e formação de quadrilha. Cerca de 200 policiais de 25 delegacias do Rio de Janeiro participaram da operação.

 

Dez dos 23 detidos durante a operação, entre eles duas irmãs de Isaías e a namorada dele.

Foto: Marcos de Paula/AE

 

Atualizado às 13h54 para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
violênciatráficooperaçãoRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.