Diego Reis/Polícia Civil
Diego Reis/Polícia Civil

Polícia do Rio faz reconstituição da morte de Henry Borel, de 4 anos

Mãe e padrasto da criança não participaram da reprodução; laudo indicou hemorragia no garoto após ação contundente e por isso é investigado se houve agressão

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2021 | 00h03

RIO - A Polícia Civil do Rio realizou nesta quinta-feira, 1º, a reprodução simulada da morte de Henry Borel Medeiros, menino de 4 anos que morreu na madrugada do dia 8 de março, quando estava com a mãe, a professora Monique Medeiros da Costa Almeida, e o padrasto, o médico e vereador do Rio Jairo Souza Santos Júnior, o Doutor Jairinho (Solidariedade). O menino passou mal na casa em que morava com os dois, na Barra da Tijuca, zona oeste carioca, e morreu antes de chegar ao hospital. Ele foi vítima de hemorragia interna e laceração hepática causada por ação contundente, segundo laudo necroscópico.

Monique e Jairinho não participaram da reprodução, realizada no apartamento em que eles moravam – o imóvel está interditado judicialmente por 30 dias, e o casal está morando com familiares. O advogado do casal, André França Barreto, afirmou que Monique está com depressão e pediu ao delegado responsável pela investigação, Henrique Damasceno, da 16ª DP (Barra da Tijuca), que adiasse a reprodução para depois de 12 de abril.

O policial não consentiu e a reprodução foi realizada na tarde desta quinta-feira, ao longo de aproximadamente quatro horas. Um boneco com peso e tamanho semelhantes aos de Henry foi usado para representar a criança. Os policiais foram embora sem falar com a imprensa.

Henry é filho de Monique Medeiros da Costa Almeida e do engenheiro Leniel Borel de Almeida. O casal se separou em setembro e Monique passou a namorar Jairinho. A mãe contou à polícia que na noite de 7 de março o filho dormiu, ela e o namorado foram ver TV e por volta das 3h30, quando foi até o quarto, ela encontrou o menino caído no chão, com mãos e pés gelados e olhos revirados. Ele chegou morto ao hospital, e a perícia identificou várias lesões pelo corpo.

Tudo o que sabemos sobre:
Polícia Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.