Polícia do Rio faz reconstituição da morte de João Hélio

A polícia do Rio de Janeiro vai fazer nesta quinta-feira, 15, a reconstituição do assassinato do menino João Hélio Fernandes, de 6 anos. Segundo o delegado Hércules Nascimento, o procedimento irá complementar o depoimento das testemunhas do crime e também o laudo do local do crime. O delegado quer mostrar que todos os cinco acusados, já presos, sabiam que arrastavam uma criança ao arrancar com o carro de sua mãe. Nem os criminosos, nem as testemunhas irão participar; somente policiais estarão presentes. Eles se basearão nas informações prestadas pelos depoimentos e irão verificar se os dados são coerentes. Crime João Hélio Fernandes foi arrastado, preso ao cinto de segurança do carro de sua mãe, por sete quilômetros. O veículo havia sido roubado e cinco os assaltantes arrancaram com o carro antes que a mãe do menino, Rosa Fernandes, pudesse soltá-lo do cinto. A irmã da vítima, Aline Fernandes, de 13 anos, também foi vítima do assalto. Na terça-feira, 13, nachegada à delegacia para acareação, os cinco assaltantes foram recebidos sob vaias e ameaças. Carlos Roberto da Silva, de 21 anos, Carlos Eduardo Toledo, o Dudu, de 23 anos, Tiago Abreu Matos, de 19, e Diego Nascimento da Silva, de 18 anos, foram ouvidos pelo delegado Hércules Nascimento. O objetivo era esclarecer a participação de cada um no roubo do carro da mãe de João, quais dos rapazes entraram no automóvel e quem assumiu a direção. De acordo com a acareação, Carlos Eduardo estaria dirigindo o veículo no momento do crime.

Agencia Estado,

15 Fevereiro 2007 | 10h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.