Polícia Civil
Polícia Civil

Polícia do RS prende 13 por 'feirão' de armas e drogas nas redes

Criminosos usavam cerca de 300 grupos de WhatsApp e Facebook para comercializar material bélico e entorpecentes

Luciano Nagel, especial para o Estado

29 Novembro 2017 | 17h20
Atualizado 29 Novembro 2017 | 18h37

PORTO ALEGRE - A Polícia Civil do Rio Grande do Sul identificou cerca de 300 grupos no Facebook e WhatsApp que funcionavam como um "feirão" de vendas de armas. Na manhã desta quarta-feira, 29, foram cumpridos 13 mandados de prisão contra envolvidos na venda e na compra de armas e drogas e 13 de busca e apreensão. 

+++ Homem de 62 anos é detido após abusar de criança em hipermercado de Porto Alegre

Ao longo de um ano, agentes do Departamento Estadual do Narcotráfico (Denarc) já cumpriram 41 mandados de prisão temporária e 56 mandados de busca e apreensão em Porto Alegre e cidades da região metropolitana como Canoas, Gravataí, Alvorada, Guaíba, Sapucaia entre outras. Mandados judiciais também foram cumpridos dentro da Penitenciária Modulada de Montenegro, no Vale do Caí. No total, 36 armas foram apreendidas - entre elas, um fuzil e duas submetralhadoras.

+++ Polícia investiga grupo que promovia atentados com explosivos no RS

De acordo com o delegado do Denarc, Mario Souza, as investigações começaram com o monitoramento de uma quadrilha de criminosos. "A partir daí foi detectado que pessoas, sem antecedentes criminais, também negociavam drogas e armas, em uma espécie de feira virtual usando o aplicativo", explicou.

+++ Polícia do RS investiga professor preso por abusar de alunas com 8 a 9 anos de idade

Segundo o policial, mais de 300 grupos virtuais foram monitorados durante um ano. 

A operação foi batizada de Blindado, porque até fuzis capazes de perfurar objetos blindados foram apreendidos. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.