Polícia é acusada de vender dados

Agentes dizem que estatal pediu informações criminais de 60 mil

Josmar Jozino e Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

20 Agosto 2009 | 00h00

Delegados de classe especial da polícia teriam recebido dinheiro para quebrar o sigilo de dados criminais de 60 mil pessoas supostamente a pedido de funcionários da Petrobrás. A acusação de uso indevido da máquina da polícia em favor da empresa estatal motivou denúncia assinada por dez policiais da Divisão de Capturas. Eles encaminharam a acusação à Corregedoria da Polícia Civil, que abriu inquérito sobre o caso. De acordo com a denúncia, a remuneração seria paga por ficha criminal consultada. A existência do caso foi confirmada ao Estado pelo diretor da Divisão de Capturas da Polícia Civil, delegado Sérgio Abdalla, que afirmou ter determinado a imediata cessação das pesquisas. "Achei irregular e determinei que parassem." Abdalla negou, no entanto, que o serviço fosse feito em troca de dinheiro e disse que se tratava de hábito havia cerca de 15 anos no setor. Na denúncia dos agentes, eles disseram aos corregedores que foram obrigados a pesquisar os dados das fichas criminais de pessoas sob coação de seus chefes. Disseram que, caso não obedecessem, seriam transferidos para outros setores da polícia. Em anexo à denúncia, eles encaminharam à corregedoria cópias das fichas criminais pesquisadas. Ao realizar uma pesquisa, o sistema de computadores da Polícia Civil registra a senha de quem solicitou os dados. A corregedoria abriu inquérito para apurar possíveis crime s de quebra de sigilo, improbidade administrativa e outras supostas irregularidades. Segundo o delegado Abdalla, chefe do setor onde tudo teria se passado, "a Petrobrás pedia ?terminais? (fichas) de empregados e eles eram tirados, puxados para ver se tinham alguma passagem pela polícia". "Eu mandei parar", afirmou. A divisão chefiada por Abdalla é subordinada ao Departamento de Identificação e Registros Diversos (Dird). O diretor deste, o delegado Francisco Alberto de Souza Campos, enviou na semana passada à corregedoria um dossiê com outras 1.200 fichas que estariam aguardando na sala de meios do departamento para serem pesquisadas a pedido da estatal. Os nomes dos delegados supostamente denunciados pelos agentes não foram divulgados. O Estado procurou a estatal e explicou o caso, mas até as 23h30 de ontem não houve resposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.