Polícia encontra bomba em Indaiatuba

Uma bomba de fabricação caseira, feitacom pólvora de rojão, foi encontrada no antigo prédio da PolíciaMilitar de Indaiatuba, no centro da cidade, nesta quarta-feira, porvolta das 21h30. Em um edifício ao lado da antiga sede da PMfunciona a Guarda Municipal.O Grupo de Ações Táticas deCampinas (Atac) foi acionado e desativou a bomba, consideradapouco perigosa.A PM recebeu uma denúncia anônima de um morador da cidade, quedisse ter visto um carro parando em frente ao prédio, e um homemcolocando um pacote estranho atrás de máquina de refrigerante,no interior da antiga sede.Segundo a PM, além da máquina derefrigerante, há um caixa eletrônico em operação no edifício,que deixou de abrigar a corporação há dois anos.A PM informou que desde o início dos atentados a postospoliciais no Estado, atribuídos ao Primeiro Comando da Capital(PCC), a polícia de Indaiatuba vem recebendo ameaças. Masnenhuma ocorrência havia sido registrada até esta quarta.No mês passado, seis homens atiraram contra os policiais do 3ºDistrito Policial de Sumaré, matando dois homens e ferindo umterceiro. Depois do ataque, a tiros de metralhadora, uma bombafoi deixada no local pelos criminosos e explodiu, destruindoparte do prédio.Em Hortolândia, uma bomba explodiu em um posto da PolíciaMilitar e uma viatura foi alvejada, em duasocorrências, também no mês passado. A Polícia Militar nãoacredita que os ataques à polícia das duas cidades tenham sidopromovidos pelo PCC.Afirma que foram tentativas de intimidaçãopor parte de criminosos da região, porque o patrulhamentopolicial foi intensificado na área.As ameaças são constantes nas duas cidades. A Rondas TáticasTobias Aguiar (Rota), de São Paulo, que desde a morte doprefeito de Campinas Antonio da Costa Santos, em 10 de setembropassado, está apoiando o policiamento na região, deslocouviaturas para auxiliar as polícias dos municípios.As ruas próximas aos postos de plantão noturnos de Sumaré eHortolândia são interditadas, para dificultar os ataques. Adelegacia de Hortolândia está rodeada de arame farpado, tamborese cavaletes. Os carros têm que ser estacionados a pelo menos 20metros da entrada do prédio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.