Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Polícia encontra laboratório de refino de cocaína

Policiais da 2.ª Divisão deInvestigações sobre Entorpecentes (Dise) encontraram hoje umlaboratório de refino de cocaína, no limite entre os municípiosde Francisco Morato e Franco da Rocha, na Grande São Paulo. Otraficante Marcos César Ramos, de 37 anos, que já cumpriu duaspenas pelo mesmo crime, foi preso em flagrante. O proprietáriodo local está foragido. Foram 90 dias de investigação até chegar ao laboratório,segundo o delegado-assistente da 2.ª Dise, Pedro Luiz Porrio,que comandou a operação. "Ele é ligado ao cartel de Leticia(cidade da Bolívia) e trabalhava com 400 a 500 quilos de cocaínapor mês", disse Porrio. O laboratório funcionava atrás do galpão de uma fábricade plásticos falida, que está sob penhora judicial. Era oesconderijo quase perfeito. O terreno fica numa área de acessopor estrada de terra, vizinho a pequenos sítios, pesqueiros ecasas de campo, à beira da Estrada Velha de Campinas. Segundo a polícia, Ramos usava o lugar havia cerca deseis meses. A droga era distribuída nos dois municípios, emCaieiras e Perus, bairro da zona norte da capital onde otraficante morava. "Ele vinha para cá, preparava a quantidadenegociada e distribuía", disse o delegado titular da 2.ª Dise,Emílio Françolin. Foram apreendidas duas balanças, duas prensas, ummicroondas, tachos e produtos químicos usados para misturar adroga, munição, três carros e uma caminhonete. Também foramencontrados cerca de 25 quilos de cocaína pura, que depois derefinados renderiam quatro vezes mais. Sete policiais participaram da operação, iniciada porvolta das 6 horas. Ramos tentou fugir em um Gol, mas foiinterceptado e detido. O proprietário do terreno, José LuizPerez, está foragido e será acusado de associação com o tráficode drogas.

Agencia Estado,

13 de março de 2003 | 21h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.