Polícia encontra mulher que jogou bebê na Lagoa da Pampulha

A Polícia Civil de Minas Gerais deteve, no início da tarde deste domingo, a promotora de vendas Simone Cassiano da Silva, de 29 anos, suspeita de ter jogado a filha, de dois meses, nas águas da Lagoa da Pampulha, embrulhada em um saco plástico. A promotora de vendas, que tinha acabado de deixar a casa do namorado, no bairro Estoril, região Oeste, da capital mineira, foi detida dentro de um táxi em companhia de uma outra filha de 10 anos.Além da criança, no veículo foram encontradas bolsas com pertences da suspeita. A polícia acredita que a promotora de vendas estava iniciando uma fuga.Em parte do depoimento na 7ª Delegacia Seccional de Venda Nova, em Belo Horizonte, Simone negou que tenha atirado o bebê na lagoa. Bastante confusa, a suspeita disse que entregou a filha a uma família de moradores de rua, pois não tinha condições financeiras para criar outra criança. Uma mulher, dessa família de moradores de rua, é que seria a autora da tentativa de homicídio.Porém, no mesmo depoimento, a promotora confessou a autoria do crime. "Ela disse que sofre de problemas mentais. Por causa disso, não saberia explicar bem o que aconteceu", explica o delgado William Alves Vital, titular da 7ª Seccional de Venda Nova.A tentativa de homicídio aconteceu no início da tarde de sábado. O bebê foi colocado em um saco plástico, amarrado em um pedaço de madeira e foi atirado nas águas da Lagoa da Pampulha. O auxiliar de manutenção José da Cruz Neto, de 38 anos, que caminhava na orla da lagoa, ouviu um gemido que vinha de dentro do saco, resolveu verificar o que era. Para a sua surpresa, encontrou o bebê.A criança foi encaminhada ao Hospital Odilon Behrens, onde passou por uma bateria de exames. Nenhuma doença foi constatada. O caso foi encaminhado ao Conselho Tutelar que deve colocar o bebê no programa de adoção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.