Wilton Júnior/AE
Wilton Júnior/AE

Polícia encontra paiol do 'Batman' na Operação Têmis

Ricardo Teixeira da Cruz é apontado como chefe da milícia 'Liga da Justiça' na zona oeste do Rio

Elvis Pereira e Pedro Dantas, Central de Notícias e O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2009 | 15h12

A segunda fase da Operação Têmis, cujo alvo são os negócios da milícia "Liga da Justiça", já resultou nesta terça-feira, 16, na descoberta de um paiol com armas e granadas, na Estrada da Pedreira, em Campo Grande, zona oeste do Rio. Segundo a Polícia Civil, o depósito pertence ao ex-policial militar Ricardo Teixeira da Cruz, conhecido como Batman. Apontado como chefe da organização, ele acabou preso no mês passado e, atualmente, é mantido no presídio federal existente na capital do Mato Grosso do Sul.

 

Até o momento ninguém foi preso ou houve troca de tiros. Além do paiol, os policiais encontraram dois depósitos de gás e uma central clandestina de distribuição de TV a cabo. "São dois objetivos fundamentais. O primeiro é o braço financeiro da milícia que é esta série de atividades irregulares para auferir dinheiro. O segundo é fazer com que órgãos e instituições fiscalizadoras ocupem novamente as suas posições nesta área, como Detro (Departamento de Transportes Rodoviários do Rio) e as distribuidoras de gás, para não deixar espaços para as milícias", disse o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame.

 

Pela manhã, os fiscais do Detro, acompanhados de policiais civis fortemente armados, pararam vans e carros. Vários veículos foram rebocados. Em seguida, a polícia estourou o primeiro depósito clandestino de gás, administrado pelo policial militar reformado Flávio Pereira da Silva, que não foi preso. Ele negou as acusações e chegou a mostrar as carteiras de trabalho dos funcionários. As distribuidoras de gás legalizadas também foram fiscalizadas. Na Distribuidora Nacional, a polícia apreendeu uma moto, pois o veículo é proibido de fazer entrega de material explosivo.

 

Duas centrais de distribuição de sinal pirata de TV a cabo, conhecida como "gatonet", foram estouradas na Favela da Carobinha e outra na Favela do Pedregulho. Nesta última, em um local disfarçado de ferro velho, foi encontrado um paiol de armas com seis granadas de efeito moral, uma granada artesanal, duas espingardas calibre 12, sendo uma delas adaptada de uma muleta. No cubículo onde estava escondida a aparelhagem do sinal pirata havia um adesivo com símbolo do Batman.

 

Ao todo, 180 policiais civis e 160 militares participam da ação, prevista para durar 30 dias. Segundo a Secretaria de Segurança, calcula-se que só o comércio paralelo de gás movimente mais de 50 mil botijões por mês. No ramo das ligações clandestinas de TV, estima-se que o número chegue a 100 mil na região. Flagrantes, apreensões e balanços serão centralizados na Delegacia de Homicídios Oeste.

 

Atualizado às 19 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.