Polícia encontra túnel em cela de presídio de MG

Um dia depois de a Justiça de Minas Gerais conceder liminar determinando o afastamento do diretor de segurança da penitenciária José Maria Alkimim, Ednardo Gomes de Souza, acusado de facilitar a fuga de presos e outras irregularidades, a Polícia Militar descobriu nesta terça-feira o início de escavação de um túnel em uma cela de regime fechado do presídio, localizado no município de Ribeirão das Neves, na região metropolitana da capital mineira. Os militares fizeram pela manhã uma revista na penitenciária. Cerca de 200 policiais vasculharam as celas do presídio. Além do túnel - o buraco tinha aproximadamente um metro de comprimento e 50 centímetros de diâmetro - foram encontradas durante a varredura diversas armas brancas e uma pequena quantidade de drogas, além de uma suposta lista com nomes e cifras que comprovaria a prática de tráfico de entorpecentes dentro do presídio. A ação cautelar foi proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE) e acatada pela Vara Cível de Ribeirão das Neves. O diretor foi notificado e afastado hoje, segundo a Secretaria de Estado da Justiça e Direitos Humanos de MG , que prometeu recorrer da decisão. O major reformado Ednardo Gomes foi denunciado ainda por falsificação de documentos, falsidade ideológica e prevaricação. Também foram denunciados criminalmente os agentes Marco Túlio de Souza Cruz e César Pereira Silva. O primeiro já foi afastado de suas funções em julho e responde a um processo administrativo e inquérito policial sobre a fuga de dois detentos da penitenciária, no dia 2 desse mês. A penitenciária José Maria Alkimim - antiga penitenciária agrícola de Neves - possui 509 presos em regime fechado e 196 em semi-aberto. A capacidade é de 800 presos. Inaugurada em 1937, o presídio possui 240 funcionários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.