Polícia espanhola prende 17 brasileiras acusadas de prostituição

A polícia espanhola anunciou na terça-feira, 13, a prisão de 42 pessoas acusadas de envolvimento em uma rede de prostituição. Entre elas estão 17 brasileiras e um brasileiro. Segundo a polícia, as mulheres eram contratadas no Brasil e diziam ser vigiadas 24 horas por dia ao desembarcar na Europa. A operação policial durou quase dois anos. O grupo atuava no arquipélago de Canárias e apenas em um dos bares onde trabalhavam as prostitutas, chamado Kimbanda, a rede teria lucrado 800 mil euros (cerca de R$ 2,4 milhões) entre março e dezembro do ano passado.DívidaA organização era formada por dois brasileiros, um indiano, um argentino, sete colombianos e 12 espanhóis. Além das 17 brasileiras, foram presas uma ucraniana e uma venezuelana por prostituição, que é crime na Espanha.De acordo com a assessoria da Chefatura Superior de Las Palmas de Gran Canaria, as mulheres viajavam à Espanha sabendo em que trabalhariam, mas desconhecendo as condições que encontrariam na Europa.Todas recebiam passagens de ida e volta e apresentavam falsas reservas em hotéis das Canárias para burlar a polícia aduaneira.Quando entravam em território espanhol, descobriam que tinham uma dívida de quatro mil euros (cerca de R$ 12 mil) mais as despesas por hospedagem e alimentação.TráficoAs que não conseguissem passar pelo controle policial no aeroporto de Madri (entrada principal na Espanha), tinham uma segunda oportunidade.A organização oferecia novas passagens e passaportes falsos, mas o preço da dívida subia para 12 mil euros, aproximadamente R$ 36 mil.Segundo a polícia, o grupo ainda oferecia às mulheres a possibilidade de reduzir a dívida levando drogas, na maioria dos casos cocaína, para a Espanha.Nos bares de prostituição, as mulheres tinham horário de trabalho das 16 às 4 horas. Mas, em depoimentos à polícia, elas disseram que eram vigiadas 24 horas por dia, inclusive com câmeras de vídeo.Na blitz policial foram apreendidos cem mil euros em dinheiro (R$ 300 mil), quatro carros, computadores e cartuchos de balas de revólver.Os organizadores da rede foram acusados de crime contra os direitos de cidadãos estrangeiros, contra os trabalhadores e formação de quadrilha. As mulheres deverão responder por entrada e estadia ilegal na Espanha e crime de prostituição.

Agencia Estado,

14 de junho de 2006 | 14h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.