Polícia está de prontidão para evitar megarrebelião do PCC

Os principais comandos das Polícias Militar e Civil estão de prontidão neste fim de semana em São Paulo. O motivo é o risco de o Primeiro Comando da Capital (PCC) tentar liderar motins sangrentos nas penitenciárias do Estado. Os chefes das polícias receberam informações de que os líderes do PCC podem iniciar um movimento semelhante à megarrebelião que atingiu 29 prisões e cerca de 20 mil presos em 17 de fevereiro de 2001. "Estaremos com todo o efetivo nas ruas e não apenas o normal, mas o pessoal administrativo também", afirmou o coronel Washington Luiz Gaiotto, do Comando da Policiamento de Área Metropolitano-3 (CPA-M3), responsável pelo patrulhamento da zona norte de São Paulo. É nessa região que está o maior presídio de São Paulo, a Penitenciária do Estado, no complexo do Carandiru, que é dominado pelo PCC. "Mesmo quem devia estar de folga vai trabalhar", disse hoje o coronel. Sem folgas - Segundo ele, além do Comando de Policiamento da Capital (CPC), estarão de sobreaviso os homens dos Comandos de Policiamento Metropolitano (CPM, responsável pelos demais municípios da Grande São Paulo) e de Policiamento de Choque, a chamada tropa de choque. O Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) também terá trabalho extra no fim de semana. Este departamento está centralizando as investigações sobre a onda de terror que o PCC deflagrou no domingo passado, atacando policiais e guardas-civis no Estado. "Todas as folgas e as férias estão suspensas", afirmou o diretor do Deic, Godofredo Bittencourt Filho. Nem ele nem o coronel da PM informaram o efetivo que será mobilizado. "A polícia está pronta para a possibilidade de rebeliões", disse o coronel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.