Polícia estoura central telefônica de presidiários em PE

A polícia civil de Pernambuco estourou hoje uma central telefônica que funcionava a serviço de presidiários, numa residência no município metropolitano de Paulista. A central repassava ligações feitas de um telefone público dentro do Presídio Aníbal Bruno, no Recife, para outros Estados, e também promovia teleconferências.Segundo o diretor de Polícia Especializada, Gilvan Cavalcanti, a central fazia contato entre o presídio Aníbal Bruno com os presídios de Igarassu (região metropolitana) e Canhotinho (sertão) e com as cidades do Rio, Salvador, Maceió, João Pessoa, Brasília, Goiânia, Rio Branco, Rodonópolis e Campinas. "Usando o orelhão do presídio eles falavam com bandidos de fora, a fim de trazê-los para cá para fazer seqüestros e assaltos", afirmou o diretor.Com isso, disse Cavalcanti, a polícia conseguiu evitar os seqüestros de dois empresários pernambucanos que estavam sendo planejados através da central. O ex-presidiário Jamesson Rodrigo Dias Pereira, 21 anos, e sua mãe Vera Lúcia Ferreira da Silva, 45, foram presos por favorecimento ao crime e estelionato. A central funcionava na casa deles.A central telefônica não era clandestina. Foi instalada na casa de Vera e Jamesson em nome de um "laranja", pela Telemar. Segundo o diretor de Polícia Especializada, a central existia há cerca de um mês e foi planejada durante a permanência de Jamesson no Aníbal Bruno, no ano passado, por assalto a um depósito de gás. "A mãe dele passou a visitá-lo e ambos fizeram muitos contatos no presídio", afirmou ele. "Quando o rapaz foi liberado, neste ano, concretizaram a central".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.