Polícia estoura festa rave na casa de Vágner Love na zona oeste do Rio

Evento foi divulgado pela internet e organizado por quatro adolescentes; jogador está na Rússia

Clarissa Thomé, Agência Estado

15 Outubro 2011 | 03h58

RIO - A Polícia Civil fluminense e a Vara da Infância e Juventude encerraram uma festa rave que acontecia em uma casa pertencente ao jogador Vagner Love, onde mora sua ex-mulher, a modelo Marta Maria Gentil de Moraes, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste carioca. Cerca de 800 pessoas, a maioria adolescentes, estavam no local ontem de madrugada, quando ocorreu a operação. Dois adultos foram presos, acusados de servir álcool a menores de idade, e dois adolescentes foram apreendidos, sob acusação de organizar o evento. O filho da modelo, de 16 anos, fruto de relacionamento anterior ao casamento com o atleta, também apontado como responsável pela festa, fugiu. Marta será intimada e pode ser processada por dar bebidas alcoólicas a menores e perturbação do sossego.

Segundo a Polícia, a festa foi organizada por quatro amigos e divulgada na internet como Royal Ibiza, "a melhor festa da zona oeste", com ingressos vendidos a até R$ 40. A propaganda prometia "bebidas totalmente liberadas" e "drinks afrodisíacos", além de serviços de transporte por van. A venda de ingressos foi feita em escolas da classe média da zona oeste e zona sul. Eram esperadas 1.500 pessoas.

A casa de Vagner Love, separado de Marta desde abril, fica em um condomínio residencial, ao lado de uma casa de repouso para idosos. Vizinhos denunciaram a festa à Polícia e à Vara da Infância e da Juventude, que organizaram a operação conjunta. "Não se pode fazer uma festa paga em condomínio residencial. É preciso ainda ter o nada a opor dos órgãos públicos. Além disso, uma festa com ingressos cobrados organizada por adolescentes configura atividade laborativa dos menores. A dona da casa será intimada a depor e explicar esses fatos", afirmou a delegada Adriana Belém, da 42.ª Delegacia de Polícia (Recreio dos Bandeirantes).

Os policiais entraram disfarçados na festa, por volta das 22 horas. Por duas horas acompanharam a chegada dos adolescentes - alguns de apenas 12 anos - e o fornecimento de bebidas para os jovens. À meia noite, as luzes foram acesas e a festa encerrada pelos policiais. Os dois funcionários que serviam as bebidas, Ricardo Pereira da Silva, de 42 anos, e Júlio Cesar Campista, de 29, foram presos e liberados depois de pagarem a fiança. Não foram encontradas drogas na casa.

Os pais dos dois adolescentes apreendidos estiveram na delegacia e disseram que não sabiam que os filhos participavam da organização da festa. Os jovens foram liberados. "Tenho informações de que Marta Gentil de Moraes não apenas sabia da festa, como autorizou que fosse feita", afirmou a delegada. "É estranho que a polícia dê uma batida na sua casa e você não apareça para se explicar". Marta não foi encontrada pelo Estado para se manifestar. O jogador Vagner Love atualmente joga no CSKA, time da Rússia, e não está no Brasil.

A assessoria de imprensa de Vágner Love desmentiu a presença do filho do jogador com Marta, de apenas 5 anos de idade, e alegou que o atleta, que está concentrado com o time em Moscou, não tinha conhecimento da utilização do imóvel para a realização do evento.

Ainda segundo a assessoria, "o imóvel faz parte da partilha de bens entre o jogador e sua ex-esposa Marta Maria Gentil de Moraes, que também tem acesso à propriedade, e não deveria ser utilizado para nenhum fim enquanto o processo de partilha não for encerrado".

Atualizado às 12h45 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.