Polícia exumou corpo que suspeita ser de empresário

Ele foi vítima do grupo da Baixada Santista que anunciava carros com até 50% de desconto

Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

30 de dezembro de 2008 | 00h00

A polícia de São Paulo exumou, no dia 16, um corpo enterrado em Santos que pode ser do empresário Manuel Martins de Oliveira, de 74 anos. Ele foi vítima de uma quadrilha que anunciava carros importados ou máquinas agrícolas com até 50% de desconto, atraindo vítimas de todo o Brasil.O preço do negócio se transformava no valor do resgate da vítima, que era dominada quando ia fechar o negócio. Oliveira está desaparecido desde 1º de abril, quando desembarcou em São Paulo. Ele veio à cidade atraído pelo anúncio em um jornal de uma Dodge Ram, que era oferecida por R$ 100 mil - cerca de R$ 40 mil abaixo do preço de tabela.A exumação do corpo encontrado em Santos foi definida pela polícia para que fosse possível a realização de um exame de DNA. A decisão de fazê-lo foi tomada depois que a família de Oliveira achou que o corpo poderia ser do empresário. Anteriormente, exames de impressões digitais haviam dado negativo. Mesmo assim, a Divisão Anti-Seqüestro (DAS) resolveu acabar com as dúvidas.A polícia já identificou nove acusados de participar do seqüestro de Oliveira. Quatro deles foram presos por montar o esquema para que o bando recebesse em uma conta bancária o dinheiro pago como resgate pela família. Outros dois detidos pela DAS são acusados de terem agido no momento em que a vítima foi dominada e levada ao cativeiro, em um sítio perto da Serra do Mar, em Santos. Um sétimo homem foi preso no Paraná. Outros dois homens identificados estão foragidos. Essa foi a principal quadrilha envolvida em seqüestros no Estado desarticulada pela polícia neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.