Polícia faz acareação entre Valdebran e Gedimar

A Polícia Federal e o Ministério Público querem esclarecer o mais rápido possível a negociação de documentos, em poder de Luiz Antônio Vedoin, que envolvem políticos na máfia dos Sanguessugas. Para isso, deve acontecer nesta terça-feira a acareação entre Valdebran Padilha, filiado ao PT de Mato Grosso, e Gedimar Passos, advogado e ex-policial, na sede da PF, em Cuiabá.Com a acareação, a polícia e o MP pretendem identificar os compradores do dossiê Vedoin. O delegado da PF Diógenes Curado Filho e o procurador Mário Lúcio Avelar decidiram pela transferência imediata de Valdebran e Gedimar para o Mato Grosso.Em conversa com o ministro Márcio Thomaz Bastos na segunda-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que o caso seja esclarecido o quanto antes, de modo que não atrapalhe a reta final de sua campanha para reeleição, informa o blog de Ricardo Noblat. O mandante da operação será identificado tão logo a polícia desvende a origem dos R$ 1,7 milhão que seriam entregues aos Vedoins em troca do dossiê, segundo Lula ouviu de Thomaz Bastos.Prisão temporária de FreudOcorreu também nesta terça-feira o pedido de prisão temporária de Freud Godoy, ex-assessor especial da Presidência. O procurador da República em Mato Grosso, Mário Lúcio Avelar, já tinha o pedido pronto desde a segunda-feira.Para justificá-lo, Avelar anexou trechos do depoimento do advogado Gedimar Pereira Passos no qual ele revela que foi "a mando de um Froude ou Freud" que iria realizar o pagamento de R$ 1,75 milhão aos emissários do empresário Luiz Antônio Vedoin, chefe da máfia do esquema de vendas de ambulâncias superfaturadas.Em sua minuta com seis páginas, o procurador considera importante que Freud seja detido temporariamente para ser interrogado sobre a compra de dossiê. ConvocaçãoNo início da tarde desta terça-feira, os integrantes da cúpula da CPI dos Sanguessugas se reúnem para discutir a convocação de Freud Godoy. O vice-presidente, deputado Raul Jungmann (PPS-PE), defendeu na segunda-feira a convocação do ex-assessor. Além de Godoy, Jungmann quer ouvir Valdebran Padilha e Gedimar Passos, que foram presos na sexta-feira pela Polícia Federal com R$ 1,75 milhão - dinheiro que seria usado para adquirir o dossiê contra os candidatos do PSDB José Serra, que disputa o governo de São Paulo, e Geraldo Alckmin, que concorre à Presidência.A próxima reunião administrativa da CPI dos Sanguessugas está marcada para o dia 4 de outubro, logo depois do primeiro turno das eleições.Ainda nesta terça-feira, a cúpula da comissão também deverá decidir se integrantes da CPI vão a Cuiabá para acompanhar a acareação que será feita pela PF entre Gedimar, Valdebran, Vedoin e Paulo Trevisan - este último tio do dono da Planam, que entregaria o dossiê contra os tucanos em São Paulo. A CPI deverá solicitar formalmente ao Tribunal de Contas da União, à PF, ao Ministério Público Federal e à Justiça Federal todos os dados e informações que foram entregues pela família Vedoin. Colaboraram Nelson Francisco, Eugênia Lopes, Expedito Filho e Sônia Filgueiras

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.