Polícia faz blitz em festa e apreende drogas em Niterói

Promotores e policiais que se passaram por freqüentadores de uma rave (festa de música eletrônica) em Niterói, RJ, flagraram uso indiscriminado de drogas e prenderam 21 pessoas, liberadas depois de prestarem depoimento. Os organizadores da festa deverão ser processados por associação ao tráfico de drogas, que prevê penas de 3 a 15 anos de prisão. A operação conjunta aconteceu na madrugada de sexta para sábado e será repetida em outros pontos já levantados pelo Ministério Público e pela Polícia Civil. "A grande maioria era de pessoas muito jovens, de menos de 25 anos, havia muitos menores e 90% do público que estava na festa usava entorpecentes. É um quadro assustador. É importante que os pais tenham a noção de onde os filhos possam estar", disse a promotora Flávia Ferrer, que participou da operação. Outro promotor, Márcio Mothé, disse ter visto "um quadro lastimável, com as pessoas caídas, entorpecidas". Doze pessoas foram autuadas por consumo de drogas e dois seguranças foram presos por obstrução do trabalho da polícia. "Ninguém é contrário à festa rave. O absurdo é a certeza da impunidade, as pessoas estão contribuindo para o tráfico. A gente tem verificado que os jovens estão usando drogas nessas festas e em outros locais. A Justiça não quer prender o usuário, mas oferecer a opção de, em vez de ser processado, passar por um tratamento", disse Mothé. A polícia não informou que tipo de droga e em que quantidade apreendeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.