Polícia Federal apreende 167 barras de ouro em Minas Gerais

Metal pertenceria a traficante Antônio Hilário Ferreira, o Rabicó, que, mesmo preso, comandaria o tráfico de drogas no Salgueiro, no Rio

Thaise Constancio, O Estado de S. Paulo

22 Outubro 2014 | 10h56

Atualizada às 20h46

RIO - A Polícia Federal (PF) apreendeu na terça-feira em Muriaé (MG) 167 barras de ouro que, segundo a instituição, pertencem ao traficante Antônio Hilário Ferreira, o Rabicó. Mesmo preso desde 2008 no Complexo de Gericinó, em Bangu (zona oeste do Rio), ele ainda comandaria o tráfico de drogas no complexo de favelas do Salgueiro, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. A atividade criminosa renderia R$ 1 milhão por mês, estima a PF. 

Em setembro, a Polícia Federal já havia apreendido mais de R$ 3,5 milhões em notas escondidas em tonéis na favela da Mangueira, na zona norte do Rio. O dinheiro também pertencia a Rabicó e era guardado por um homem acusado pela polícia de ser tesoureiro da quadrilha do traficante. Na operação do mês passado, quatro pessoas foram presas, incluindo o suposto tesoureiro. 

As barras de ouro apreendidas pesam 20 quilos e estavam escondidas sob o piso da varanda e de um dos quartos de uma casa no bairro de Cachoeira Alegre. O imóvel pertence a um parente de Rabicó. Ninguém foi preso. 

Segundo a Polícia Federal, Rabicó usou o dinheiro do tráfico para comprar casas no Rio, na Região dos Lagos fluminense e em Santa Catarina. Em uma conta bancária, o traficante tinha R$ 600 mil. 

Bloqueio e transferência. A polícia vai pedir à Justiça o bloqueio dos bens de Rabicó e confisco do dinheiro guardado em contas bancárias. Também já foi solicitada a transferência dele para um presídio de segurança máxima federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.