Polícia Federal desbarata quadrilha internacional de tráfico

A Polícia Federal prendeu nesta segunda-feira sete integrantes de uma quadrilha internacional de traficantes de droga em três cidades do Rio Grande do Sul, na última etapa de uma operação denominada Curitiba. Outros 15 participantes do grupo haviam sido presos em fases anteriores do mesmo caso, quando também foram lacrados dois imóveis e apreendidos sete automóveis de luxo, 34 quilos de cocaína pura e 35 quilos de produtos químicos que seriam misturados à droga.A investigação começou em novembro do ano passado, quando a prisão de um dos traficantes levou a polícia a procurar os outros participantes da rede. Na busca, os agentes descobriram uma quadrilha com ramificações em quatro países da América do Sul e cinco Estados brasileiros.A droga saía da Bolívia, passava pelo Paraguai, Mato Grosso do Sul e Paraná e era entregue em São José, na região metropolitana de Florianópolis. Os produtos químicos chegavam contrabandeados do Uruguai e eram misturados à cocaína na cidade do litoral catarinense. A distribuição chegava a São Paulo e ao Rio Grande do Sul. A polícia calcula que a quadrilha movimentava R$ 1,5 milhão por mês.No dia 18 de março, autorizada pela Justiça a fazer as prisões temporárias, a Polícia Federal saiu à caça do grupo e prendeu dois traficantes em Ponta Porã (MS). Na seqüência, prendeu outros cinco em Gravataí (RS), na região metropolitana de Porto Alegre, na sexta-feira, e mais sete em São José, no sábado. Nesta segunda-feira foram presos cinco integrantes da quadrilha em Porto Alegre, um em Charqueadas (RS) e um em São Jerônimo (RS).O superintendente regional da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, delegado José Francisco Mallman, disse que os presos serão indiciados por tráfico internacional de drogas, associação ao crime e uso de entorpecentes e, se condenados, podem pegar penas de 35 anos a 55 anos de cadeia.

Agencia Estado,

26 de março de 2007 | 19h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.