Polícia Federal está sendo purificada, garante ministro

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, disse nesta sexta-feira que "a Polícia Federal está fazendo uma purificação de seus quadros" para evitar que policiais tomem atitudes não condizentes com a função, como as denúncias de tortura contra o comerciante chinês Cham Kim Chang, no Rio de Janeiro, e o garçom Valdinei Sabino da Silva, em São Paulo. "Estamos estimulando as polícias estaduais a trabalharem com respeito aos direitos humanos, a trabalharem com corregedoria independente", afirmou.Para o secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Eduardo Soares, os casos do chinês e do garçom paulista, que também denunciou ter sido vítima de tortura, não são novidades. "Infelizmente, esta é a tradição brasileira, a tradição da barbárie, da tortura", afirmou. "A tortura contra os pobres e negros tem sido uma praxe no Brasil e, infelizmente, continua sendo." Mas ele reafirmou que o governo tem um "compromisso histórico" de acabar com isso no Brasil.Ele defendeu "punições exemplares" e "uma mensagem clara, nítida e indiscutível para os operadores da segurança na ponta" para que se evite a tortura. Segundo Soares, no plano de formação e informação integrados que está sendo apresentado pelo governo "o combate à corrupção, o combate ao desrespeito aos direitos humanos é parte central". "Só vai haver segurança pública quando houver de novo confiança na polícia e quando os profissionais da segurança forem valorizados como merecem e puderem se livrar daqueles segmentos corruptos e violentos que, infelizmente, ainda marcam a instituição", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.