Polícia Federal identifica no Ceará procurado pelo FBI

A Polícia Federal descobriu que o norte-americano identificado como "Michael", preso em Fortaleza, no início desta semana, sob a acusação de liderar um esquema internacional de lavagem de dinheiro, chama-se Reidar Carrol Arden, tem 45 anos, e que ele é um dos bandidos mais procurados nos Estados Unidos da América (EUA), onde tem ordem de prisão decretada desde 1995. A informação foi prestada à PF através do Office of the Legal Attache (Escritório de Anexo Legal), que presta serviços para a embaixada dos EUA, em Brasília.Arden vinha sendo procurado pelos integrantes do Federal Bureau of Investigation (FBI) - a Polícia Federal americana por conta de fraude contra o sistema financeiro e remessa ilegal de dólares daquele país para paraísos fiscais. Possivelmente, uma equipe da divisão do FBI, de San Diego (Califórnia), virá a Fortaleza com o objetivo de interrogar e investigar a ação de Arden no Brasil. Também deverá ser protocolado nos próximos dias pedido de extradição dele junto ao Ministério da Justiça, em Brasília. Agentes federais brasileiros acreditam que o acusado tenha feito cirurgias plásticas para dificultar seu reconhecimento e facilitar a fuga. A PF ainda não sabe o montante de dinheiro que teria sido "lavado" por ele. De acordo com o delegado José Elpídio Nogueira, da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado e Crimes Especiais, da PF, cerca de 100 empresas brasileiras suspeitas de serem clientes dele estão sendo investigadas. A polícia chegou até o norte-americano, após prender o guatemalteco Hugo Chacon e o panamenho Ivan Rodriguez, há uma semana, também em Fortaleza. Indícios indicam que os estrangeiros estavam instalando uma ´´base´´ do crime organizado internacional em Fortaleza. A partir da Capital cearense estariam sendo movimentadas contas abertas em paraísos fiscais através da internet ou pelo sistema de cartões bancários internacionais.

Agencia Estado,

16 de agosto de 2002 | 17h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.