Polícia Federal pode entrar em greve amanhã, em Brasília

Tentar tirar passaporte na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Brasília poderá se tornar, a partir de amanhã, uma tarefa árdua. Policiais federais do Distrito Federal pretendem entrar em greve para pressionar o governo a pagar um aumento salarial que poderá representar um custo anual de cerca de R$ 500 milhões na folha. Eles sustentam que desempenham funções de nível superior mas têm remuneração de nível médio. O presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Distrito Federal, Fernando Honorato, disse hoje que a idéia é paralisar praticamente todos os serviços da PF de Brasília. Também estão programados piquetes."A gente quer parar tudo", disse. Entre os serviços que poderão ser prejudicados está a emissão de passaportes. Em Brasília, são emitidos em média 120 passaportes por dia. Apenas algumas funções essenciais, como a guarda de presos na Superintendência, deverão funcionar em esquema de plantão. Inicialmente a greve será em Brasília. Mas Honorato contou que há cerca de dez anos um movimento que começou na capital federal espalhou-se por outros locais do País. A decisão dos policiais federais pela deflagração da greve foi tomada durante assembléia ocorrida na segunda-feira no Distrito Federal. Hoje, Honorato esteve com o chefe de gabinete do Ministério da Justiça, Sérgio Sérvulo da Cunha, para conversar sobre a situação. "A audiência foi boa, mas não o suficiente para a gente deixar de fazer a greve", comentou o presidente do sindicato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.