Polícia indicia dois por naufrágio no AM

Tragédia pode ter sido causada por rapidez na tentativa de puxar barco

Liège Albuquerque, O Estadao de S.Paulo

23 Julho 2009 | 00h00

O barco Karolina do Norte, que tombou anteontem na margem direita do Rio Negro com 185 pessoas a bordo, foi içado no final da tarde de ontem e nenhum outro corpo foi encontrado. "Não havia mortos nos camarotes, como pensávamos", disse o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Antônio Dias dos Santos. Dois corpos, de Ketlen Silva, de 8 anos, e de Maria Alvarenga, de 71, foram encontrados anteontem presos numa rede e em um banheiro do barco. Ontem, a Polícia Civil indiciou o proprietário da embarcação, Edson de Souza Júnior, e o comandante Manoel Benício da Rocha, como responsáveis pelo acidente. Um inquérito administrativo para apurar as responsabilidades sobre o naufrágio também foi aberto pela Capitania dos Portos, com prazo de 90 dias para conclusão. Até a manhã de ontem, os bombeiros mergulharam à procura de quatro pessoas que, segundo o comerciante Luis Augusto Moreira, de 40 anos, poderiam estar no barco. No meio da manhã, ele recebeu a informação de que os parentes não haviam embarcado no Karolina do Norte. "Minha mãe, dois netos e minha sobrinha chegaram atrasados ao embarque e pegaram um barquinho para alcançar o Karolina, mas graças a Deus não conseguiram e embarcaram em outro", afirmou. Para o comandante dos bombeiros, a causa do naufrágio pode ter sido a rapidez na tentativa de puxar o barco para consertar a hélice. "O comandante tinha de ter tirado os passageiros para fazer essa manobra, provavelmente não o fez por pressa em partir", disse. Em cima do barco tombado, durante o dia, os bombeiros estenderam redes coloridas encontradas no barco. Espalhados em uma balsa ao lado do Karolina tombado, havia malas, redes, sacolas e colchões. A bagagem encontrada foi transferida para o quartel-general do Corpo de Bombeiros, no bairro Petrópolis, em Manaus. Segundo Santos, como a maioria das pessoas perdeu os documentos no acidente, os bombeiros pedem uma descrição da bagagem e a pessoa a recebe após preencher um formulário com seus dados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.