Polícia invade fábrica e liberta reféns em Sabará-MG

Motorista de perua escolar manteve duas mulheres reféns em empresa por mais de oito horas

Fabio M. Michel e Elvis Pereira, da Central de Notícias,

24 de junho de 2009 | 23h36

Terminou na noite desta quarta-feira, 24, o sequestro de duas mulheres, que foram mantidas reféns por mais de oito horas pelo ex-marido de uma delas, dentro de uma empresa em Sabará, região

metropolitana de Belo Horizonte. A polícia invadiu o local e o sequestrador acabou ferido, sem gravidade.

 

O motorista de perua escolar, Clinger Marcelo D'Ávila, de 30 anos, invadiu uma fábrica onde sua ex-companheira, Cristiane Monteiro, de 29, trabalha e a fez refém com mais duas cozinheiras. A invasão aconteceu por volta das 13 horas desta quarta-feira, 24. Uma das cozinheiras foi liberada cerca de uma

hora depois. Armado com uma pistola 765, ele manteve as duas mulheres no refeitório da empresa.

 

A Polícia Militar cercou o local e foram mais de oito horas de negociações, até que foi ouvido um disparo de dentro da empresa. Os soldados do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) invadiram a fábrica em seguida. Clinger chegou a atirar contra os militares, mas foi atingido com um tiro de raspão no pescoço.

 

"Ele estava decidido a matar a refém (Cristiane) e atirou, mas ela conseguiu dar um tapa no braço dele e desviou o tiro. A corporação foi obrigada a invadir e conseguimos libertar as duas mulheres e prender o criminoso, todos com vida", contou o major Pedro da PM Américo, comandante da operação.

 

Clinger foi encaminhado ao Hospital João 23, onde foi medicado e levado em seguida ao 30º DP de Sabará.

Tudo o que sabemos sobre:
refémSabará

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.