Polícia investiga 30 instituições de ensino clandestinas no Rio

Delegacia de Defraudações está apurando crime de estelionato, já que escolas funcionam sem permissão

Agência Brasil,

25 de fevereiro de 2010 | 20h11

A Polícia Civil do Rio realizou nesta quinta-feira, 25, uma operação para cumprir mandados de busca e apreensão em oito escolas suspeitas de funcionarem irregularmente no estado. Entre elas, seis são da Baixada Fluminense - quatro em Nova Iguaçu e duas em Belford Roxo. As outras duas escolas funcionam em Itaboraí, no Grande Rio, e em Itatiaia, no sul do estado.

 

Segundo o titular da Delegacia de Defraudações, Robson Costa, as escolas clandestinas foram descobertas pela Secretaria Estadual de Educação. O delegado afirma que, no total, há 30 estabelecimentos irregulares sendo investigados pela polícia.

 

"A gente está apurando o crime de estelionato, porque, na verdade, essas escolas têm uma aparência de legalidade, mas elas não têm permissão para funcionar oferecendo educação para o consumidor. E o que acontece? Elas cobram pela educação que elas sabem que não podem oferecer. Isso consiste num crime de estelionato", disse o delegado.

 

Durante a operação foram apreendidos documentos das escolas que servirão como provas para o inquérito policial. O fechamento das escolas deverá ser feito pela própria Secretaria Estadual de Educação.

 

Além das oito escolas, equipes de inspeção da Secretaria de Educação ainda vistoriaram duas escolas - uma em Itatiaia e uma Belford Roxo. No total, cerca de 400 alunos estudam nessas dez escolas. De acordo com a secretaria, os alunos prejudicados pelas escolas irregulares terão que procurar a Coordenadoria Regional de Educação (CRE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.