Polícia investiga acesso de presos ao Orkut no Rio

A Corregedoria da Polícia Civil do Rio realizará perícia em todos os computadores da Delegacia da Polinter (Divisão de Capturas da polícia fluminense) de São Gonçalo, na região metropolitana da capital. O objetivo da investigação é identificar as máquinas usadas pelos presos Rodrigo Neves Torres e Bruno Bottini, que mantinham página no site de relacionamentos Orkut. Outros dois detentos que já estão soltos serão ouvidos, pois também teriam acessado à internet quando estavam na carceragem. Dois policiais são suspeitos de cumplicidades com os criminosos e um deles estaria identificado. A dupla que navega pela rede virtual em liberdade é acusada de roubo. Torres estaria condenado a 14 anos em regime fechado por participação em um assalto em que dois jovens foram baleados. Bottini estaria detido pelo mesmo crime desde julho de 2005. O álbum de fotos da página dos detentos mostra a dupla posando para fotos, fazendo ginástica e churrasco nas dependências da Polinter. Na página de recados, a irmã de um dos presos pede que ele abra o e-mail e um amigo chega a sugerir "vem logo, pula o muro". O policial suspeito de conivência deixou vários recados e em um deles chega a perguntar à dupla "como vocês estão se virando sem o irmão aqui?". Nesta quarta-feira, 10, vários usuários do site de relacionamento escreveram recados agressivos na página da dupla, que continuava no ar. Parentes e amigos dos acusados também foram atacados e cancelaram as páginas com os respectivos perfis.

Agencia Estado,

11 Abril 2007 | 18h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.