Polícia investiga atropelamento e explosão que deixaram um morto e 41 feridos no Rio

Imagens feitas por pessoas que estavam no ensaio e das câmeras de segurança serão analisadas

Agência Brasil,

13 Fevereiro 2012 | 16h30

RIO DE JANEIRO - A Polícia Civil do Rio de Janeiro iniciou hoje as investigações do atropelamento múltiplo e da explosão de uma bomba, que deixaram um morto e 41 feridos na noite de ontem, em Madureira, zona norte da cidade, durante o ensaio da Escola de Samba Portela. Na ocasião, um carro com bandidos em fuga furou um bloqueio de trânsito e invadiu a Estrada da Portela, onde a escola de samba iria iniciar o ensaio. Cerca de 15 minutos depois do atropelamento, uma bomba explodiu bem próximo das pessoas que estavam sendo socorridas pelos bombeiros, fazendo mais vítimas.

De acordo com a polícia, as imagens de telefones celulares gravadas pelas pessoas que acompanhavam o ensaio e, também, das câmeras de segurança das lojas vizinhas serão analisadas. Testemunhas e vítimas que já receberam alta médica já começaram a ser ouvidas. A polícia ainda não sabe se o artefato que explodiu no meio da rua foi jogado pelos ocupantes do carro que provocou o atropelamento coletivo minutos antes.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, 12 dos 41 feridos no incidente seguem internados. Em estado mais grave está uma pessoa atingida no rosto, nos braços e nas pernas por estilhaços da bomba. Com ferimentos leves, 23 pessoas já foram liberadas.

A Escola de Samba Portela divulgou nota solidarizando-se com as famílias das vítimas do atropelamento e da explosão da bomba: "A agremiação lamenta o fato ocorrido e reitera a confiança nas autoridades competentes do estado de direito para que o episódio seja esclarecido. A Presidência da Escola de Samba Portela vai acompanhar de perto as investigações sobre o caso".

Também por meio de nota, a Polícia Militar informou que 15 policiais do Batalhão de Rocha Miranda (zona norte) faziam a segurança do ensaio da Portela quando houve o atropelamento. A polícia do Rio está fazendo buscas nas favelas de Madureira e bairros próximos para tentar localizar os bandidos que furaram o bloqueio policial e o carro usado por eles, um Mercedes Benz branco segundo testemunhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.