Polícia investiga carta enviada a prefeito de Jacareí

A cúpula do PT deu poucos detalhes sobre a carta, contendo ameaças, enviada ao prefeito de Jacareí, Marco Aurélio de Souza. A polícia investiga o caso, mas também não informa seu conteúdo. Segundo a deputada federal Ângela Guadagnin, do mesmo partido, o sigilo está sendo mantido para dar mais estabilidade a cada integrante do partido. "Se eu for dar detalhes da minha segurança pessoal, por exemplo, vou ter menos estabilidade", ressaltou Guadagnin. Cópia da carta foi entregue também ao presidente nacional do partido, José Dirceu, para que seja incorporada ao processo de investigação da morte de Celso Daniel. Até hoje, mais de 37 políticos do PT receberam cartas ameaçadoras. Depois da morte do prefeito de Santo André e do recebimento da carta, o prefeito de Jacareí se retirou da cidade. Segundo sua assessoria de imprensa, "ele estaria abalado com os acontecimentos, e decidiu se retirar da cidade para descansar". A carta anônima, manuscrita em folhas de caderno, foi deixada num envelope pequeno, na casa da família de Souza.O delegado seccional de Jacareí, Francisco Norberto, informou que ainda não ouviu o prefeito e por isso não poderia dar outros detalhes. Assim como a deputada federal Ângela Guadagnin (PT), o deputado estadual na região, Carlinhos de Almeida (PT) disse que a carta faz parte do contexto de violência contra as lideranças do PT. "Ele terá que aprimorar algumas medidas de segurança, como não andar sozinho", afirmou o deputado. Os deputados concordam que a ameaça tem todas as características de ser de natureza política, mas não de extrema esquerda. "O teor das cartas parece mais de extrema direita", comentou Ângela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.