Marcelo Carnaval/Agência O Globo
Marcelo Carnaval/Agência O Globo

Policia investiga de onde partiram tiros durante sequestro de ônibus no Rio

Testemunhas disseram que criminosos não dispararam dentro do coletivo; ao todo, 5 ficaram feridos

Tiago Rogero e Fábio Grellet, estadão.com.br

10 Agosto 2011 | 09h25

RIO - A Polícia Civil do Rio investiga de onde partiram os tiros durante o sequestro do ônibus, ontem à noite, na Avenida Presidente Cargas, no Centro do Rio. De acordo com a delegada Gisele Rosemberg, da 6ª DP (Cidade Nova), onde o caso foi registrado, testemunhas afirmaram em depoimento na que os criminosos não dispararam dentro do veículo.

 

Agentes da Polícia Científica estão periciando o veículo para identificar de onde os tiros partiram. Até agora, ao menos 16 perfurações à bala foram encontradas.

 

Ao todo, cinco pessoas ficaram feridas no sequestro. Durante o tiroteio, duas passageiras e um policial foram atingidos. Uma mulher continua internada em estado grave. Um dos criminosos, aparentemente, também ficou ferido, pois deu entrada no hospital São Lucas, em Copacabana, zona sul carioca.

 

Jean Júnior da Costa Oliveira, de 21 anos, buscou atendimento ferido por um tiro na perna, mas os funcionários do hospital desconfiaram e chamaram a polícia. Militares do 19º BPM (Copacabana) estiveram no local e prenderam o suspeito, que teria fugido do ônibus antes da chegada da PM. Ele foi o terceiro de quatro acusados de participarem do crime.

 

A delegada disse que o quarto suspeito já foi identificado por fotos do banco de dados da Polícia Civil. Gisele, no entanto, não quis revelar o nome do criminoso, até que ele seja preso. Após o fim do sequestro, dois suspeitos se entregaram: Renato da Costa Júnior, de 21 anos, e Bruno Silva Lima, de 19.

 

Atualizado às 10h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.